INTRODUÇÃO
 
 
 

VER GALERIA DE FOTOS

 

AUDIO:

  1. Ouvir
  2. Ouvir
 

INFORMAÇÕES:

CANÁRIO-DA-TERRA-VERDADEIRO
Sicalis flaveola (Linnaeus, 1766)

Familia: Emberizidae 

Nome em Inglês: Saffron Finch

Foto e videos: Germano Woehl Junior
Local: RPPN Santuário Rã-bugio - Guaramirim - Santa Catarina
Data: 07/01/2010

Ameaças
Essa espécie é admirada pelo canto melódico e por isso é frequentemente aprisionada como ave de cativeiro (está entre as 10 mais apreendidas, segundo o IBAMA) mesmo tal ato sendo considerado crime federal inafiançável pela Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98). Por ter comportamento agressivo é também utilizada como espécie de “briga”. Nessa prática são colocados 2 machos para brigar e realizam-se apostas sobre qual será o vencedor. Geralmente as aves ficam seriamente feridas. Denúncias de crimes deste tipo podem ser feitas à Polícia Ambiental de sua região. 

Descrição
Tamanho aproximado: 13,5 cm. Cor amarelo-olivácea com estrias enegrescidas nas costas e próximo das pernas. Asas e cauda cinza-oliva. A íris é negra e o bico tem a parte superior cor de chifre e a inferior é amarelada. As pernas são rosadas. A fêmea e o jovem tem a parte superior do corpo olivácea com densa estriação parda por baixo, com as penas e cauda e tarso quase enegrescidos. Vive em campos secos, campos de cultura e caatinga. Costuma ficar em bandos quando não está em período de acasalamento. 

Alimentação
É uma espécie predominantemente granívora (come sementes). O formato do bico é eficiente em esmagar e seccionar as sementes, sendo portanto, considerada predadora e não dispersora de sementes. Ocasionalmente alimenta-se de insetos. 

Reprodução
Nidifica em buracos e pode usar o ninho do João-de-barro. Também utiliza ninhos abandonados de outras espécies e pode fazer ninhos em forma de cesta em plantas epífitas (orquídeas e bromélias), em buracos de telhas e outros locais que ofereçam proteção. A fêmea põe em média 4 ovos que são chocados por 14 ou 15 dias. 

Observações
O macho tem um canto de madrugada bem extenso e áspero, diferente do canto diurno. 

Referências
* www.arthurgrosset.com, acessado em 14/01/2008. 
* www.diagnostico.org.br, acessado em 14/01/2008. 
* Sick, H.1997. Ornitologia Brasileira. Ed. Nova Fronteira. Rio de Janeiro-RJ.
 
 

VÍDEOS









FÊMEA:



 

 
  • fepema
  • weg
  • frbl
  • johnsonejohnson
  • bvs&a
  • governo_sc
  • avina
  • brazil_foundation
  • portal_social
  • celesc
  • prefeitura_jaragua
  • fujama
  • Doacao Donate